Imóveis para vender, como fechar negócio

novembro 3, 2012 by lmenezes · Comentários desativados
Filed under: Corretor 

VOCÊ ESTÁ “FECHANDO” VENDAS?

O mercado de imóveis há algum tempo deixou de ter espaço para o amadorismo. Como todos os negócios, hoje em dia bem mais competitivo, o setor imobiliário em particular, exige do profissional da corretagem cada vez mais empenho, técnica e aproveitamento de oportunidades.

E quando, apesar de todo o esforço, trabalhou-se 20h por dia, de domingo a domingo, e a venda não saiu? E não somente uma, mais várias vendas não sairam? O que pode estar acontecendo de errado? Estou fora do mercado? Está me faltando algo? Talvez mais conhecimento? Um curso? Atualização técnica… ou é “acertar na caçapa”? Será somente falta de sorte?

Como fazer uma AUTOCRÍTICA honesta?

Não existe fórmula mágica para o sucesso nas vendas. Por outro lado , é possível traçar um caminho vitorioso se houver atenção a alguns pontos importantes. O tema é bastante vasto, mas cabem algumas dicas as quais ocorretor deve sempre estar atento:

1- Invista no MARKETING Pessoal

Esteja sempre com uma boa apresentação. Esta primeira recomendação pode parecer óbvia mas, acredite, não é. A sua imagem como pessoa e profissional conta e pode fazer você perder clientes. E não falamos aqui apenas do vestuário. Pontos como pontualidade, organização e motivação para o trabalho – é difícil comprar quando o vendedor não demonstra entusiasmo com o produto – contam muito quando você se apresenta diante do cliente. Por melhores características que seu imóvel possua, diferenciando-se dos demais, você vai precisar vender antes a si mesmo. Mas, #comofaz?

2- Utilize um MENTOR

Vivemos a era do networking (relacionamentos com fins profissionais) e relacionar-se bem com as pessoas o ajudará, e muito, a definir uma boa imagem para os outros. As redes sociais estão aí para ajudar a agregar seus contatos oriundos dos mais diferentes grupos e que podem ajudar a alavancar suas vendas. Antes, contudo, você precisará definir quais suas melhores COMPETÊNCIAS e onde você ainda precisará melhorar. Seus talentos devem estar a mostra e trabalharem a seu favor. Suas deficiências, uma vez identificadas, precisam ser minimizadas ou mitigadas. Todos querem estar com VENCEDORES pois nos espelhamos naqueles que gostaríamos de ser. Aproveite para espelhar-se em quem admira. Aquele(a) que você não vê defeitos: Seu HERÓI!

3- Busque uma CAPACITAÇÃO permanente

A formação mínima para o exercício da profissão de corretor, segundo a Lei 6.530/78, é a de Técnico em Transações Imobiliárias. Sem o curso, e bem feito, não sendo levado somente para conseguir o diploma, não é possível intermediar negócios de compra e venda de imóveis. A dica aqui é: não pare por aí! Invista na capacitação permanente. Participe de cursos diversos e específicos, pós-graduação, workshops, seminários, etc… Ao seu lado existe certamente um corretor bem mais preparado. Esteja você também sempre pronto a apresentar as soluções que seu cliente precisa.

4- Atenção ao CLIENTE

Exclusividade no atendimento é uma coisa que todo cliente gostaria de ter. O dono de imóvel não procura a imobiliária e seus corretores ou ainda um corretor autônomo somente para delegar os aborrecimentos inerentes da busca de um bom comprador e sim, para que a imobiliária ou este corretor seja aquele que irá fazer uma avaliação certa e honesta do valor de seu imóvel no mercado e ainda, lhe apresentará um plano estratégico para a venda de seu imóvel, conseguindo obter assim os melhores resultados  desejados em todos os níveis. Atenda seu cliente com exclusividade e objetividade. Procure fazer um diagnóstico das necessidades de cada caso para poder apresentar as melhores ofertas sempre. Não perca e nem deixe seu cliente perder tempo.

5- Conheça REALMENTE o mercado

Mais do que um mero mostrador de imoveis ou um intermediador entre compradores e vendedores, o corretor de imóveis deve ser aquele que SABE SEMPRE qual o melhor negócio para seu cliente. Está sempre “antenado” com todos os acontecimentos que rodeiam seu mercado, seus colegas de profissão, sejam os de sua imobiliária ou outros, via mídias impressas, virtuais, telefonemas e emails para manutenção de relacionamentos ativos com profissionais e clientes, passando a estar sempre informado sobre como anda o mercado de imóveis de sua área de atuação.

6- Tenha OBJETIVOS de vendas

Se você não sabe o que deseja, não chegará a lugar algum. Ter metas definidas ajuda a trabalhar focado no que se deseja.
Como já disse o Gato para Alice em Alice no Pais das Maravilhas ao ser perguntado por ela em uma encruzilhada, por qual caminho ele a sugeriria seguir, respondeu-lhe com outra pergunta: “Isso depende muito de para onde queres ir” ” Preocupa-me pouco aonde ir” – disse Alice. “Nesse caso, pouco importa o caminho que sigas – replicou o gato.”

Fonte: Blog Morar Melhor

Rio de Janeiro tem a maior valorização de imóveis do Brasil

março 22, 2012 by lmenezes · Comentários desativados
Filed under: Sem categoria 

Em 12 meses, o mercado imobiliário do Rio de Janeiro
ficou 44% mais caro

Sérgio Vieira, do R7

Os preços dos imóveis continuam em franca expansão na cidade do Rio de Janeiro. No mês de abril, em média, os imóveis localizados na capital fluminense valorizaram 3,3%, na comparação com o mês de março, quando aumentaram 3,2%, de acordo com o índice FipeZap divulgado nesta quarta-feira (04) pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) em parceria com o portal Zap Imóveis.

No avaliação nacional, o destaque de alta no mês de abril ficou por conta da capital pernambucana, Recife (+3,6%), enquanto Salvador (capital baiana) se manteve com a menor valorização no último mês (+0,9%). Já a capital paulista teve crescimento de 2,4% nos valores praticados.

Mas a valorização carioca fica ainda mais perceptível quando analisado o crescimento nos últimos 12 meses. Neste período, o mercado imobiliário carioca ficou 44% mais caro.

Quando o valor é comparado com as outras sete regiões brasileiras pesquisadas (São Paulo, Belo Horizonte, Distrito Federal, Salvador, Fortaleza e Recife), a capital fluminense dispara na liderança, já que São Paulo e Belo Horizonte tiveram aumento de 26% e Fortaleza 13%.

Em 12 meses, imóveis na cidade ficaram 44% mais caros

De acordo com o levantamento, na média das sete regiões brasileiras pesquisadas, o valor do metro quadrado foi de R$ 5.332.

Bairros mais caros em abril

No quarto mês do ano, segundo o indicador, os bairros mais caros do Rio de Janeiro foram Leblon – cujo metro quadrado médio custava R$ 13.785 – seguido por Ipanema (metro quadrado negociado a R$ 13.365), Lagoa (R$ 10.958), Gávea (R$ 10.135) e Leme (R$ 9.055). Todos na zona sul da capital fluminense.

Por outro lado, os metros quadrados mais baratos da cidade estão localizados em Coelho Neto, comercializado em média a R$ 1.195; Padre Miguel, vendidos a R$ 1.045; Pavuna, a R$ 1.142; Anchieta, a R$ 953 e Guadalupe, a R$ 802. Com exceção de Padre Miguel, localizado na zona oeste, todos os outros bairros ficam na zona norte do Rio de Janeiro.

Valorização por dormitórios 

Por número de dormitórios, no mês de abril, os imóveis no Rio de Janeiro de um dormitório tiveram, em média, alta de 3,8% nos preços, com o metro quadrado sendo vendido a R$ 7.275. Os de dois foram comercializados com 3,1% de valorização, com preço médio de R$ 4.944 o metro quadrado. Por sua vez, os de três dormitórios tiveram acréscimo de 3,1%, a R$ 6.138 o metro quadrado e por fim, os de quatro apresentaram alta de 3,1%, a R$ 7.547 o metro quadrado.

Já na comparação desde 2008, ainda de acordo com o mesmo indicador, os imóveis de um dormitório tiveram valorização de 126% desde janeiro de 2008. Ou seja, imóveis com um quarto, que custavam R$ 100 mil em janeiro de 2008, estão sendo negociados a R$ 226 mil em abril de 2011.

Nos imóveis com dois dormitórios, em três anos, a valorização chegou a 111%. Seguindo o mesmo raciocínio, aqueles que custavam R$ 200 mil em janeiro de 2008, estavam sendo vendidos em abril de 2011 por R$ 422 mil.

Na mesma linha, os preços dos imóveis de três dormitórios tiveram aumento de 108% e de 91% nos de quatro ou mais.

Fonte: R7

Técnicas para vender imóveis de alto padrão.

março 22, 2012 by lmenezes · Comentários desativados
Filed under: Imóveis 

Seleto time de corretores de imóveis de altíssimo padrão desenvolve técnicas próprias para seduzir milionários e fazer fortuna no mercado imobiliário brasileiro. 

da esq. para a dir., Fernando Sita, Ally Murade e Fábio Rossi.
Eles sabem onde estão os imóveis dos seus sonhos, seja qual for o sonho.

Recentemente, o diretor-geral de vendas da imobiliária Coelho da Fonseca, Fernando Sita, recebeu de um potencial cliente uma curiosa lista de exigências. O comprador queria uma casa com mais de 500 m² de área construída no Jardim Europa , com um local coberto para 18 carros, biblioteca e espaço para leitura, poltronas em couro, tapete persa e frigobar. O pedido não soaria estranho se o cliente não quisesse tudo isso dentro da garagem. “O grande prazer da vida dele é observar seus empregados lavar e polir sua coleção de automóveis  raros”, diz Sita. “Como para nós pedido feito é pedido atendido, encontramos o imóvel que satisfazia às necessidades dele e fechamos negócio por R$ 30 milhões.”

Outras condições, digamos, mais prosaicas para a venda milionária, incluíam quartos com varandas amplas, churrasqueira e piscina quente e fria. O que para um profissional comum pode  parecer uma missão impossível é rotineiro na vida dos corretores de alto luxo no País. Os homens e mulheres que atuam nesse segmento de imóveis acima de R$ 3 milhões desenvolveram nos últimos anos estratégias peculiares para conquistar clientes endinheirados – além de superexigentes – e fechar contratos que podem render comissões milionárias. Como o percentual padrão é 6% do valor da venda, um único contrato de R$ 30 milhões rende R$ 1,8 milhão ao corretor.

A comissão e o sucesso dos profissionais do luxo imobiliário é proporcional ao empenho de cada um deles. O advogado tributarista Ally Murade fez fortuna nos últimos 30 anos defendendo os interesses de grandes empreiteiras brasileiras e multinacionais que atuam no País, mas descobriu na corretagem de imóveis de luxo o caminho para multiplicar seu patrimônio. Ele passa o dia em reuniões com CEOs de grandes companhias, frequenta eventos sociais quase que diariamente e convida altos executivos para encontros informais em seu suntuoso apartamento de cerca de 600 m², avaliado em R$ 10 milhões, no bairro paulistano do Pacaembu.

Tudo para manter o bom desempenho de seu escritório, um dos maiores do País no ramo tributário, e garantir a prosperidade à Murade Empreendimentos Imobiliários, empresa que criou há dois anos para atender à demanda de seu círculo social. “Ser um corretor de imóveis de alto luxo não é para qualquer profissional da área”, afirma Murade, que vende cinco imóveis por mês, em média. “É preciso fazer parte desse mundo e ter uma boa reputação.” Tão desafiador para os corretores de luxo quanto conquistar uma venda é conseguir mapear com precisão cirúrgica a necessidade do comprador, um exercício diário que vai muito além das exigências básicas de apresentar cômodos espaçosos, acabamento de qualidade, segurança e ótima localização.

“Quem pode gastar milhões de reais em uma casa quer o que há de melhor para poder usufruir todo o status e poder que seu dinheiro pode proporcionar”, afirma Murade, que possui hoje uma carteira de 178 apartamentos que custam de R$ 3,5 milhões a R$ 18 milhões. Além de estar antenado às exigências e aos caprichos dos seus clientes, os corretores de luxo costumam praticar também assessoria financeira. De tempos em tempos, negociam com os bancos as melhores taxas e condições para quem financia o imóvel. “O conceito de que só financia quem não tem dinheiro já acabou”, afirma Murade.

“Hoje, 70% dos compradores tomam emprestado parte do valor, com taxas muito atrativas, mesmo que tenham dinheiro para pagar à vista.”  Outro ponto a favor dos imóveis é a solidez do setor como investimento. “O mercado imobiliário se mostrou como o lugar mais seguro e como o melhor investimento”, diz Fabio Rossi, CEO da Sotheby’s. Segundo a Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), o mercado de imóveis de luxo tem crescido acima de 30% anualmente, em média, nos últimos cinco anos, e deve acelerar a expansão em 2012 graças ao surgimento de novas fortunas e aumento do crédito. A julgar por essa pujança do setor de imóveis de alto luxo no País, o sucesso e a riqueza dos profissionais do segmento premium estão garantidos.

Por Hugo CILO

Fonte: Isto é Dinheiro

Busca por imóveis na internet está liderando: Veja como usar esse recurso

março 14, 2012 by lmenezes · Comentários desativados
Filed under: Imóveis 

A procura por imóveis pela internet vem crescendo consideravelmente, profissionais atentos fazem anúncios em portais que já existem no mercado e acabam fazendo bons negócios.

Ter o seu próprio site pode ser algo que dê bons frutos, mas, isso não é o bastante, pois, é preciso também entender  de marketing digital para gerar transações comerciais lucrativas.

Uma boa estratégia é servir-se dos quatro pilares do Mk. digital que são: a encontrablidade, estar nas primeiras páginas dos mecanismos de buscas é um diferencial competitivo, mas é apenas o início

Um outro quesito é a usabilidade que tem como máxima ” tornar o complicado simples” a simplicidade é o que a nossa dinâmica cotidiana exige.

A credibilidade é outra peça fundamental, temos que conhecer o nosso cliente e suas necessidades isso através de pesquisa nas redes sociais.

O consumidor de hoje possui todas as ferramentas para testar produtos, ele é ativo exigente e bem informado.

Isso é só o começo de um grande trabalho na manutenção de um site, se você não quer ter que contratar pessoal especializado e ter todo esse custo experimente os portais que já fazem isto para você e ainda se preocupam em divulga-lo através de redes sociais e envio de milhões de e-mail marketing validos para todo o Brasil e o mundo. Experimente o portal www.acharimoveis.com e faça bons negócios.

Leslie Marion Menezes: Corretora de Imóveis

Crecirs: 41657

 

Programa Minha Casa Minha Vida é atingido por corte no orçamento

fevereiro 6, 2012 by lmenezes · 621 Comments
Filed under: Economia 

Bloqueio de verbas do programa soma R$ 5,1 bilhões, ou 40% da dotação.
Segundo ministra, Minha Casa Minha Vida 2 ainda não foi aprovado.

Alexandro Martello Do G1, em Brasília

A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, confirmou nesta segunda-feira (28) que o governo bloqueou R$ 5,1 bilhões do orçamento do programa Minha Casa Minha Vida, que oferece moradias para a população de baixa renda com juros menores, neste ano.

A dotação orçamentária de R$ 12,7 bilhões, para todo ano de 2011, foi reduzida para R$ 7,6 bihões, um recuo de 40%.

O programa Minha Casa, Minha Vida, está inserido no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Desse modo, o PAC também foi cortado pelo governo federal, apesar das declarações da ministra do Planejamento de que o programa seria preservado. A dotação orçamentária do PAC recuou de R$ 39,7 bilhões para R$ 34,6 bilhões.

Nesta segunda, Belchior detalhou, ao lado do ministro Mantega, alguns dos cortes de R$ 50 bilhões que haviam sido anunciados pelo governo no início de fevereiro.

“Ainda assim, o orçamento do programa para este ano está R$ 1 bilhão maior do que ocorreu no ano passado, quando houve a maior parte das contratações do Minha Casa”, afirmou a ministra, alegando que por isso não houve cortes no programa.

De acordo com a ministra, a redução do limite para gastos do Minha Casa Minha Vida se deve ao fato de que a segunda etapa do programa ainda não foi aprovada pelo Congresso Nacional. O orçamento original, segundo ela, contemplava a expectativa de que o programa vigorasse durante todo este ano.

A nova previsão do governo é de que a aprovação aconteça somente em abril ou maio de 2011. Com isso, de acordo com a ministra do Planejamento, a necessidade de gastos com o Minha Casa Minha Vida será menor, por conta da expectativa de que a segunda etapa programa vigorará por oito ou noves meses deste ano, e não em todo este ano.

De acordo com números do Ministério do Planejamento, do corte total de R$ 50 bilhões no orçamento federal deste ano, R$ 15,8 bilhões se darão em despesas obrigatórias.

A diferença de R$ 36,2 bilhões do bloqueio de gastos será feita no orçamento de custeio e capital, ou seja, nos gastos do dia a dia dos ministérios e de investimentos.

De acordo com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o corte não busca “derrubar” a economia brasileira, mas sim possibilitar um crescimento sustentado do Produto Interno Bruto (PIB), sem pressões inflacionárias.

Fonte: G1