Imóveis devem manter a mesma valorização de 2011.

abril 13, 2012 by lmenezes · Comentários desativados
Filed under: Economia 

Quem deixou para comprar a casa própria neste ano pode preparar o bolso. Ao que tudo indica, os imóveis devem manter a mesma valorização de preços que em 2011 – entre 15% e 20%. “Os índices de venda de lançamentos no Estado devem até encarecer”, projeta o economista-chefe do Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo, Celso Petrucci.

Apesar da supervalorização nos imóveis, especialmente no segundo semestre – o que preocupou empresários do setor sobre uma possível baixa na venda de unidades -, o presidente da Viana Negócios Imobiliários, Aparecido Viana, é enfático: “Imóvel sempre vai valorizar, porque a oferta é sempre menor e, a demanda, maior”.

Contudo, o presidente da Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC, Milton Bigucci, minimiza o impacto dos aumentos, ao frisar que nos últimos quatro anos triplicou o custo das residências. Dessa forma, o ritmo não deve assustar. “Os aumentos não podem ser tão altos para não prejudicar a velocidade das vendas e escoamento das unidades.”

Segundo ele, equilibrar essa conta matemática não é nada fácil. Isso porque, além da valorização real dos imóveis, as construtoras ainda arcam com preços elevados dos terrenos, reajustes de salários no segmento e de material de construção. Também defendem margem de lucro como justificativa para aumentos. “Tudo isso é repassado aos compradores, não tem jeito.”

A cidade elegida pelos empresários ouvidos pela reportagem do Diário a despontar até dezembro na região é Diadema. O valor médio cobrado pelos imóveis será entre R$ 240 mil e R$ 300 mil.

Para o presidente da MZM Construtora, Francisco Diogo Magnani, a cidade já conta com quatro empreendimentos da construtora. Um deles envolve um hotel com 10,8 mil metros quadrados, no Centro. “O fato de o terreno ser muito mais barato do que em São Paulo é um diferencial. Custa de 30% a 60% menos.”

Contudo, a menina dos olhos do setor hoje é São Caetano. Apesar do espaço restrito, Viana garante que ainda há “gordura” de até 7% a ser preenchida na cidade nos próximos meses.

Os tamanhos dos imóveis, segundo o delegado regional do Creci-SP, Alvarino Lemes, devem ficar na média de 44 m² a 52 m², para imóveis de até R$ 170 mil. Já unidades com preços de R$ 280 mil, devem abarcar tamanho entre 68 m² a 75 m². “Os mais procurados são e devem continuar sendo os de dois dormitórios para as metragens menores.”

CAUTELA – A crise e a inflação em alta, que abocanham os ganhos da massa salarial, já interferem no desejo dos paulistas para comprar imóveis. Pesquisa do Programa de Administração de Varejo mostra que neste trimestre, frente a igual período de 2011, houve queda de 32,5% na intenção de compra de imóvel. Só 500 entrevistados falam em adquir uma unidade até março.

Apesar disso, o gerente de vendas da Casari Imóveis, Valdecir Lanza, garante que as expectativas na região são otimistas. Mas admite: “As vendas não serão em igual volume, tão grande, como foi nos últimos três anos na região”.

Vendas estão abaixo do esperado

No Grande ABC, as vendas de imóveis até o terceiro trimestre (balanço mais recente), apontaram crescimento de 34,09% em comparação com o mesmo período de 2010, somando 2.596 unidades, segundo a Acigabc.

O desempenho do setor imobiliário superou o dos quatro últimos iguais períodos. Bigucci, presidente da Acigabc, espera que o setor tenha repetido nos últimos três meses de 2011 ao menos o número de 2.000 imóveis comercializados de outubro a dezembro de 2010.

Enquanto não há o fechamento do ano, imobiliárias destacaram que as vendas superaram, e muito, o volume obtido em 2010. A ressalva, no entanto, é que os números ficaram abaixo do projetado. A alta previsão era de resultado do forte aumento de comercializações, especialmente após 2010, quando ocorreram picos nas vendas.

Lanza, da Casari Imóveis, destaca que houve momentos inclusive de decréscimos nas vendas no fim de 2011. “Os imóveis com valores acima de R$ 500 mil foram os que mais tiveram estabilização nos preços.”

Já o volume de imóveis lançados e vendidos na região metropolitana de São Paulo foi menor em 2011, se comparado a 2010 – foram colocadas no mercado cerca de 65 mil unidades, enquanto que em 2010 foram 70 mil imóveis – 10% a menos. Quanto às comercializações, 2011 somou 52 mil unidades, contra 65 mil (25% menos) dois anos atrás, diz o Secovi-SP.

“A queda nas vendas em 2011 foi resultado das más notícias na economia mundial, maior inflação e a indefinição das regras do programa federal Minha Casa, Minha Vida (no primeiro semestre), que acabaram por frear o ritmo “, justifica Petrucci, do Secovi-SP. (TM e VG)

Fonte: Diario do Grande ABC

Modelo automatizado é implantado pela Caixa para aprovação de crédito e tem convênio com imobiliárias

fevereiro 6, 2012 by lmenezes · 691 Comments
Filed under: CEF 

RIO – A ideia é que funcione bem parecido com uma concessionária de automóvel: o cliente resolve quase tudo na loja. Seguindo a estratégia de expansão do projeto de correspondentes negociais, que já conta com 296 parceiros na cidade do Rio, a Caixa Econômica está implantando o chamado “modelo automatizado de crédito imobiliário”. A ideia é dar mais agilidade à avaliação de risco de crédito e à consequente aprovação, ou não, dos financiamentos habitacionais. Todas as informações do candidato a mutuário são transmitidas pela corretora para o banco via web, tornando o processo mais rápido.

O comprador só tem de ir a uma agência da Caixa num último momento do processo, para que o gerente do banco assine o contrato. Por enquanto, no Rio, 12 imobiliárias estão começando a operar como piloto desse novo formato de correspondente. No Brasil, já são 585 atuando no modelo automatizado. De acordo com a superintendente regional da Caixa no Rio, Nelma Tavares, o projeto deverá ser expandido para todas as parceiras.

A ideia é que funcione como o crédito para a compra de automóveis, em que o cliente resolve tudo na loja. A expectativa é atingir um número maior de pessoas, dobrando o volume de financiamentos por correspondente.

O novo modelo, segundo a Caixa, contribui para a redução de custos e agilização do processo, uma vez que toda a parte operacional é repassada ao correspondente e não induz a retrabalhos nas agências da instituição. Se toda a documentação estiver correta, a aprovação do financiamento poderá ser feita em 48 horas. Mas nenhum dos critérios do banco será flexibilizado no processo: toda avaliação de risco, da capacidade de pagamento e do imóvel continuam a cargo da Caixa, o que é considerado essencial para garantir a baixa inadimplência na habitação.

Fonte: O Globo

Programa Minha Casa Minha Vida é atingido por corte no orçamento

fevereiro 6, 2012 by lmenezes · 621 Comments
Filed under: Economia 

Bloqueio de verbas do programa soma R$ 5,1 bilhões, ou 40% da dotação.
Segundo ministra, Minha Casa Minha Vida 2 ainda não foi aprovado.

Alexandro Martello Do G1, em Brasília

A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, confirmou nesta segunda-feira (28) que o governo bloqueou R$ 5,1 bilhões do orçamento do programa Minha Casa Minha Vida, que oferece moradias para a população de baixa renda com juros menores, neste ano.

A dotação orçamentária de R$ 12,7 bilhões, para todo ano de 2011, foi reduzida para R$ 7,6 bihões, um recuo de 40%.

O programa Minha Casa, Minha Vida, está inserido no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Desse modo, o PAC também foi cortado pelo governo federal, apesar das declarações da ministra do Planejamento de que o programa seria preservado. A dotação orçamentária do PAC recuou de R$ 39,7 bilhões para R$ 34,6 bilhões.

Nesta segunda, Belchior detalhou, ao lado do ministro Mantega, alguns dos cortes de R$ 50 bilhões que haviam sido anunciados pelo governo no início de fevereiro.

“Ainda assim, o orçamento do programa para este ano está R$ 1 bilhão maior do que ocorreu no ano passado, quando houve a maior parte das contratações do Minha Casa”, afirmou a ministra, alegando que por isso não houve cortes no programa.

De acordo com a ministra, a redução do limite para gastos do Minha Casa Minha Vida se deve ao fato de que a segunda etapa do programa ainda não foi aprovada pelo Congresso Nacional. O orçamento original, segundo ela, contemplava a expectativa de que o programa vigorasse durante todo este ano.

A nova previsão do governo é de que a aprovação aconteça somente em abril ou maio de 2011. Com isso, de acordo com a ministra do Planejamento, a necessidade de gastos com o Minha Casa Minha Vida será menor, por conta da expectativa de que a segunda etapa programa vigorará por oito ou noves meses deste ano, e não em todo este ano.

De acordo com números do Ministério do Planejamento, do corte total de R$ 50 bilhões no orçamento federal deste ano, R$ 15,8 bilhões se darão em despesas obrigatórias.

A diferença de R$ 36,2 bilhões do bloqueio de gastos será feita no orçamento de custeio e capital, ou seja, nos gastos do dia a dia dos ministérios e de investimentos.

De acordo com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o corte não busca “derrubar” a economia brasileira, mas sim possibilitar um crescimento sustentado do Produto Interno Bruto (PIB), sem pressões inflacionárias.

Fonte: G1