Casas e imóveis para investir, o Brasil está em segundo lugar no mundo

novembro 3, 2012 by lmenezes · Comentários desativados
Filed under: Economia 

Subindo uma posição, o país ultrapassou a China em levantamento mundial. Antes em 26º lugar entre as cidades mais promissoras, São Paulo atingiu a quarta posição

No ranking dos melhores países para se investir em imóveis, o Brasil ocupa a segunda posição neste ano – em 2011 o país estava em quarto lugar. Mas a maior surpresa para nós, brasileiros, ficou por conta da cidade de São Paulo, que subiu da 26ª colocação na mesma lista, para o cobiçado 4º lugar.
A avaliação é da Associação de Investidores Estrangeiros em Imóveis (Association of Foreign Investors in Real Estate, Afire), que lançou recentemente seu levantamento anual, com os principais lugares em que seus membros estão mais interessados em comprar imóveis.

Os EUA ainda são o lugar favorito entre os investidores. A China, segunda na lista em 2011, cedeu seu lugar para o Brasil em 2012. De acordo com a pesquisa, conduzida pela Wisconsin School of Business (EUA), os imóveis mais cobiçados neste ano estão nos seguintes países:

1. EUA (1º lugar há várias edições)
2. Brasil (4º lugar no ano passado)
3. China (2º lugar no ano passado)

As principais cidades no mundo para o investimento em 2012 são:

1. Nova York (1º lugar ano passado)
2. Londres (3º lugar no ano passado)
3. Washington, DC (2º lugar no ano passado)
4. São Paulo (26º lugar no ano passado)
5. São Francisco (10º lugar no ano passado)

Brasil

O destaque dado ao Brasil e à São Paulo é compreensível: o mercado interno brasileiro está crescendo incrivelmente. Empresas como a Caterpillar e a Deere estão investindo em operações de manufatura no país para crescer rapidamente no mercado de equipamentos de construção.

A indiana Tata Motors, proprietária das marcas Jaguar e Land Rover, também estaria construindo uma fábrica por aqui com o objetivo de atender à demanda de automóveis e, provavelmente, para evitar mais impostos sobre os carros importados, já que o governo aumentou recentemente a tributação sobre este segmento. Ditto, Nissan Motors e possivelmente a Volkswagen também planejam fazer o mesmo.

Para reportagem da Forbes, a história maior por trás desses números é que os EUA estão levando uma surra por conta das dificuldades internas do Congresso (a dificuldade em aprovar o aumento do teto da dívida americana é um bom exemplo) e da lenta recuperação econômica.

A Afire ressalta em sua pesquisa que os EUA continuam a ocupar a primeira posição em termos de potencial de valorização de imóveis, mas sua vantagem está diminuindo. A diferença que separa os países do primeiro e segundo lugar no ranking deste este ano é de 23,8 pontos percentuais, a menor desde 2008.

Fonte: Época Negócios

Imóveis á venda em SP quase dobra em fevereiro

junho 7, 2012 by lmenezes · Comentários desativados
Filed under: Economia 

As vendas de imóveis novos na cidade de São Paulo deram um salto em fevereiro e o número de unidades vendidas quase dobrou em relação a janeiro. Foram comercializadas em fevereiro 2.019 unidades, volume 97,5% maior em relação a janeiro, mesmo com menor número de dias úteis, segundo pesquisa do Secovi-SP, que reúne construtoras e incorporadoras. Em relação ao mesmo mês de 2011, a alta foi de 12,8%.

‘Em janeiro e fevereiro, apesar do número baixo de lançamentos, as vendas foram 17,7% maiores do que no primeiro bimestre do ano passado’, diz o economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci. Esse resultado, segundo ele, reafirma a tendência de crescimento de vendas de 5% a 10% neste ano. Isso significa uma reversão de parte da queda acumulada no ano de 2011 em relação a 2010: de 21% no número de unidades e de 15% em valor.

Na análise do economista, esse crescimento expressivo de vendas reflete a mudança do cenário econômico, que hoje é mais favorável do que no começo de 2011. A queda da taxa básica de juros, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e a crise europeia sob controle melhoraram o humor do mercado, observa. De toda forma, ele pondera que a base fraca de comparação, que é o primeiro bimestre de 2011, também contribuiu para o melhor desempenho de vendas.

Um resultado surpreendente da pesquisa de fevereiro foi a ampliação da participação dos imóveis de dois dormitórios no total das vendas. ‘Normalmente, a fatia dos imóveis de dois dormitórios não superava 40% do total de imóveis vendidos. Agora chegou a 57%’, destaca Petrucci, ponderando que ainda é cedo para afirmar que se trata de uma nova tendência. A liderança de vendas nos últimos tempos tem sido de imóveis de um dormitório.

Enquanto as vendas cresceram em fevereiro, o número de unidades lançadas caiu pela metade em relação a 2011. Pesquisa feita pela Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp) mostra que foram lançadas em fevereiro 1.383 unidades, um número 52,3% menor em relação ao mesmo mês de 2011.

O fato de as vendas terem superado os lançamentos indica que parte dos negócios é desova de estoque de apartamentos. Depois da retração em 2011, incorporadoras e construtoras fizeram um ajuste para se adequar ao menor ritmo de crescimento do mercado. De acordo com a pesquisa, 74,9% da unidades vendidas em fevereiro se encontravam em fase de lançamento.

Velocidade. Outro resultado que confirma a reação do mercado é a aceleração na velocidade de vendas. O indicador de velocidade de vendas, que é o total vendido em relação ao total ofertado, tinha encerrado 2011 com alta de 57,2% acumulada em 12 meses. Em janeiro, esse indicador subiu para 58,3% e atingiu em fevereiro 59,6%.

Quando se avalia a velocidade de vendas no mês, o indicador foi 10,3% em fevereiro deste ano, praticamente o dobro do resultado de janeiro (5,2%).

No entanto, comparado com os meses de fevereiro de anos anteriores, o resultado de 2012 fica a desejar. Em fevereiro de 2010, ano em que o Produto Interno Bruto (PIB) do País cresceu 7,5%, a velocidade de vendas atingiu a marca de 21,1%. Em fevereiro do ano passado, o indicador ficou em 13,2%. Já em fevereiro de 2009, ano em que a economia sofria os abalos da crise financeira internacional, o indicador de velocidade de vendas foi menor que o atual e ficou em 7,7%.

Fonte: Estadao.com

Imóveis à venda em SP concentra mais de um terço do valor dos lançamentos do País

junho 7, 2012 by lmenezes · Comentários desativados
Filed under: Economia 

SÃO PAULO – Os lançamentos imobiliários na região Metropolitana de São Paulo atingiram VGV* (Valor Geral de Vendas) de R$ 30,5 bilhões em 2011, o que representa 36% de todo valor dos lançamentos do País no ano passado. Os dados são do anuário do Mercado Imobiliário Brasileiro 2011, desenvolvido pela área de Inteligência de mercado da imobiliária Lopes.

De acordo com o estudo, foram 509 lançamentos na região, distribuídos em 448 empreendimentos residenciais verticais, 60 conjuntos comerciais e um hotel. O preço médio do metro quadrado foi de R$ 5.010 para apartamentos, de R$ 9.240 para conjuntos comerciais e de R$ 11.530 para unidades hoteleiras.

Outras cidades A região da Grande Rio de Janeiro, por sua vez, registrou VGV de R$ 9,7 bilhões, com 181 empreendimentos, que totalizaram 483 torres e 34.137 unidades. O preço médio do metro quadrado dos apartamentos na região foi de R$ 4.250.

Já o Distrito Federal é a terceira praça em valor de lançamentos, representando 8% do VGV total de 2011 – R$ 6,7 bilhões. Lá, foram lançados 88 empreendimentos, em um total de 143 torres e 18.844 unidades. Destes, 81% eram residenciais verticais, 16% comerciais e 3% hotéis.

O tíquete médio geral dos apartamentos lançados no DF ficou em R$ 298 mil, com preço médio de metro quadrado de R$ 5.510. Em Brasília, o tíquete médio ficou em R$ 888 mil e o preço médio do metro quadrado em R$ 10.420.

No total, Os lançamentos imobiliários no Brasil atingiram o valor de R$ 86 bilhões em 2011. De acordo com a Lopes, estas três regiões somaram 55% do VGV nacional.

*O VGV é um valor calculado pela soma do valor potencial de venda de todas as unidades de um empreendimento que será lançado

Fonte: Infomoney

Imóveis à venda pela caixa terá site com feirão permanente de imóveis.

junho 7, 2012 by lmenezes · Comentários desativados
Filed under: CEF 

A Caixa Econômica Federal lançará em junho um site destinado à oferta de imóveis de construtoras e incorporadoras parceiras do banco. Segundo adiantou à Agência Estado o diretor executivo de Habitação da Caixa, Teotônio Rezende, o objetivo do projeto é promover a comercialização de imóveis em todo o Brasil, além de expandir a carteira de financiamentos do banco. “O site será como um feirão permanente e já está quase pronto”, afirmou, durante seminário sobre moradia social promovido pela Câmara de Comércio Espanhola, na capital paulista.

Inspirado no Feirão da Casa Própria, o site também vai oferecer um serviço online para agilizar a avaliação dos documentos exigidos para concessão de crédito. “A ideia é que os clientes possam enviar esses documentos e ter uma resposta mais rápida, pela internet”, disse Rezende. Essa ferramenta, porém, ainda está em desenvolvimento e deve ser disponibilizada apenas no segundo semestre.

O site vai abrigar anúncio de imóveis de empresas de todo o Brasil, inclusive daquelas que não participaram dos feirões anteriores realizados pelo banco. O diretor da Caixa disse que ainda não foram contabilizados os números totais de empresas e imóveis que serão apresentados no site. Rezende também explicou que as empresas não terão que pagar pela exposição dos anúncios.

O retorno esperado pelo banco, segundo o diretor, está no aumento do volume de financiamentos. “Esse aumento já está dentro dos R$ 100 bilhões previstos para financiamentos da Caixa até o fim do ano”, explicou, lembrando que esse volume já foi revisado para cima recentemente. Até o início deste mês, a previsão anterior para concessão de crédito era de R$ 96 bilhões.

O anúncio sobre o site deverá ocorrer nos próximos dias, em comercial protaganizado pelo ex-jogador de futebol Raí e pela atriz Camila Pitanga.

Fonte: Bonde

Comprar casa pela caixa cresce em 5,2% no Ano.

junho 7, 2012 by lmenezes · Comentários desativados
Filed under: Economia 

Os financiamentos para aquisição e construção de imóveis atingiram R$ 23,3 bilhões nos primeiros quatro meses de 2012, um aumento de 5,2% em relação ao mesmo período de 2011, segundo divulgado hoje pela Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança). Os dados de unidades imobiliárias financiadas, porém, indicam a tendência de desaceleração do mercado.

Abril deste ano foi mais fraco que o mesmo mês do ano passado já em volume de empréstimos: R$ 5,7 bilhões, baixa de 7% em relação ao mesmo período de 2011.

Em termos de unidades financiadas, os dois números mostram quedas. Em abril foram financiados 32,5 mil imóveis, queda de 16% ante abril do ano passado.

Comparando os primeiros quadrimestres de 2011 e 2012, a queda foi menor: 4,9%. Enquanto foram financiados 144,3 mil imóveis em 2011, neste ano a quantidade chegou a 137,3 mil unidades.

Os últimos 12 meses, contados a partir de abril, ainda estão positivos: os financiamentos com recursos das cadernetas de poupança evoluíram 27%, passando de R$ 64 bilhões para R$ 81 bilhões.

Em termos de unidades, foram financiadas 485,9 mil, 8% mais do que nos 12 meses imediatamente anteriores

Fonte: Folha | Uol